LINHAS DE AÇÃO

TEATRO PERENE

Trata-se de perenizar o ato teatral. É mais um dos conceitos forjados nas andanças por aí, na necessidade e urgência de resistir no espaço que ocupamos, o CDC Vento Leste. 

 

A ocupação é uma experiência político que exige manutenção, persistência e mobilização para dar e construir sentidos comunitários para a (r)existência no espaço público. 

 

Não basta o caminho burocrático, não basta a articulação política, demanda uma intervenção artística de resistência, exige virar linguagem e resposta poética. Sempre por meio do mutirão.

 

Para nós, estas construções estiveram ligadas aos nossos Festivais de Teatro Mutirão com a produção do elefante na Praça em Artur Alvim, das esculturas teatrais, dos tótens-poesia, e dos bustos de Armando Boas Praça.

Sobre o Monumento ao Trabalhador, assista esse vídeo sobre o processo de construção e esse mostrando o mutirão de jardinagem feito na Praça do Elefante. 

TEATRO MUTIRÃO

É a insistência em fazer arte, a busca pelo trabalho não alienado, as tentativas de organizar-se coletivamente e de forma horizontal.

A formação da consciência de que o fazer (como produção da materialidade) influi sobre a criação artística e sua relação com o entorno.

 

É pesquisa permanente dessa mistura e das fronteiras demanchadas que existem na figura do trabalhador-artista.

DOLORIANAS

​Dolorianas, um risco livro, um som poema, uma ideia música, dançam em páginas, sonhos, lutas, trabalhos, risos, dores, fraquezas e força, numa paisagem periférica, no vai e vem do cotidiano. Nos encontramos num terreno, que um dia fora baldio, entre paredes ruínas, morro vermelho,  esculturas em aço e arena arbórea.

 

Somos o Dolores Boca Aberta, podemos ser também uma Cia de teatro, ou não, ser uma organização política, ou não, podemos ser um coletivo de artes, ou não, mas sabemos, pelo menos que em comunhão transformamos nossa realidade, subvertemos nossa condição, e deixamos o mundo às avessas quando fazemos arte.

 

Como explicar o livro Dolorianas, que fora pensado para além livro, pois trata-se não só dos trabalhos teatrais, ou histórico do Coletivo nesses últimos 15 anos. São modos de expressão artística dos sujeitos que compõem o Dolores. Uma reunião de poemas, fotografias, colagens, imagens de percursos e produções dos tantos de nós.

FESTIVAL DE TEATRO MUTIRÃO

Os Festivais de Teatro Mutirão começam a adquirir características peculiares quando comparados a outros festivais de teatro. O I Festival por se tratar de uma ocupação artística ininterrupta em praça pública com duração de quinze dias que além de receber diversos eventos cênicos, poéticos e musicais, deixou no local um monumento à classe trabalhadora de 5 metros de altura.

 

O II Festival, realizado no CDC Vento Leste recebeu grupos teatrais parceiros, e em mutirão, construiu um Jardim de Esculturas a céu aberto, dialogando produções cênicas com objetos perenes.

 

Já no III Festival de Teatro Mutirão, as transformações físicas do espaço por meio dos mutirões e das esculturas continuaram. Com a presença de seis saraus da cidade, foi realizado um ato cênico-poético que culminou na inauguração de seis tótens-poesia, convertendo o outrora abandonado terreno em parque comunitário com esculturas a céu aberto através do Teatro Perene.

UNIDOS DA MADRUGADA

"Unidos da Madrugada" é o bloco carnavalesco do Dolores que, juntamente com a "Unidos da Lona Preta"(MST/SP) e o "Boca de Serebesqué" (Guaianazes). formam a Batucada do Povo Brasileiro. O bloco sai no carnaval pelos arredores do CDC Vento Leste fazendo ressoar a batucada dos surdos e apresentando intervenções cênicas para a comunidade produzindo um carnaval com musicalidade e poesia, num evento avesso às competições e as cobranças de resultado das grandes escolas de samba.

 

Todo ano um novo samba-enredo e novos ritmistas que se somam aos permanentes ensaios de nossa batucada. 

 

Além do carnaval, a Unidos sai sempre que a luta da classe trabalhadora extravaza as ruas da cidade, juntando sua sonoridade a nossa militância.

CIRANDA INFANTIL

O Coletivo Dolores nesses últimos anos teve muitos filhos. São crianças nascidas, crescidas dentro do universo de seus pais, o Teatro. Então, inspirados em práticas de movimentos sociais o Coletivo Dolores se reorganizou e criou uma Ciranda Infantil, com jogos, brinquedos, livros, que colaborem no processo de desenvolvimento, cuidados e aprendizado infantil. Também nos revezamos nessas atividades, garantindo a participação de todos os integrantes na tarefa, em escalas que possibilitem ensaios das mães e pais do coletivo.

Uma reflexão sobre nossa ciranda no nosso blog.

Mais imagens de nossa experiência aqui.

BOLETINS MENSAIS DO DOLORES

nº 01 – Outubro de 2013

nº02 – Novembro de 2013

nº 03 – Dezembro de 2013

nº 04 – Fevereiro de 2014

nº 05 – Março de 2014

nº 06 – Abril de 2014

nº 07 – Maio de 2014

nº 08 – Junho de 2014

nº 09 – Julho de 2014

nº 10 – Agosto de 2014

nº 11 – Setembro de 2014

nº 12 – Outubro de 2014

nº 13 – Novembro de 2014

nº 14 – Dezembro de 2014

nº 15 – Janeiro de 2015

nº 16 – Fevereiro de 2015

nº 17 – Março de 2015

nº 18 – Abril de 2015

nº 19 – Maio de 2015

nº 20 – Junho de 2015

nº 21 – Julho de 2015

nº 22 – Agosto de 2015

nº 23 – Setembro de 2015

nº 24 – Outubro de 2015

nº 25 – Novembro de 2015

nº 26 – Dezembro de 2015

nº 27 – Fevereiro de 2016

nº 28 - Março de 2016

nº 29 - Abril de 2016

nº 30 - Maio de 2016

nº 31 - Junho de 2016

nº 32 - Agosto de 2016

nº 33 - Fevereiro de 2017

nº 34 - Abril de 2017

nº 35 - Maio de 2017

nº 36 - Junho de 2017

nº 37 - Julho de 2017

nº 38 - Agosto de 2017

nº 39 - Setembro de 2017

nº 40 - Outubro de 2017

nº 41 - Novembro de 2017

nº 42 - Maio de 2018

nº 43 - Junho de 2018